INSTANTES SEGUINTES.

No instante do apito final, a incredulidade.
No instante seguinte, a dor. Puxa, estava gostando da seleção.
No instante seguinte, o inconformismo pela crueldade dos milímetros que a sorte nos negou.
No instante seguinte, o lamento pelas chances desperdiçadas.
No instante seguinte, o ímpeto primitivo, o instinto primal de culpar alguém. A começar por eu mesmo, que acho que não vesti a cueca certa.
No instante seguinte, as perguntas: se o Neymar estivesse pleno? Se o Coutinho não estivesse tão nervoso? Se o árbitro de vídeo tivesse bancado aquele pênalti? Se Renato Augusto tivesse entrado antes?
No instante seguinte, a negação deste sentimento tolo. O “se” não entra em campo de futebol, nem na vida.
No instante seguinte, o conformismo. Os belgas foram cirúrgicos, poderosos, conscientes. Nós, insistentes, guerreiros e afobados. Insuficientes.
No instante seguinte, a constatação que dos favoritos fomos os únicos a fazer as malas de volta com dignidade.
No instante seguinte, a certeza da tristeza. Que deve ser vivida, no tempo que merece ser sentida.
No instante seguinte, o sentimento que o Brasil saiu da Copa, mas eu não.
Amanhã tem jogo decisivo. Semana que vem também. Mais crônicas certamente.
No outro domingo, a final de uma Copa intensa.
Allez les bleus e seu menino encantado.
Vida que segue. Vou abrir um vinho.
Somos instantes.

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.

Crônicas Recentes.