Imperialismo, não – eu torço pra árbitra

Confesso que ando tão sem tempo de acompanhar esta Copa do Mundo que às vezes me sinto meio fraudulenta em cumprir o dever de entregar essas crônicas sobre uma modalidade que, mea culpa, acompanho pouco e sobre a qual, por isso, tenho poucas informações. Mas como todo brasileiro que vê, torce e comenta qualquer esporte, entendendo ou não dele, eu também sou capaz de dar pitaco até em torneio de dardo. Daí que sigo assistindo, torcendo e tecendo meus comentários sobre esta surpreendente Copa do Mundo de Futebol Feminino.
Pra começo de conversa, adianto que torço sempre pros frascos e pros comprimidos. Mas, num jogo como o de hoje, de um lado as americanas poderosas, tricampeãs e favoritas indiscutíveis, e do outro as inglesas, que nunca passaram perto da fraqueza ou da opressão, fica difícil escolher um lado. Imperialismo ianque? Pois foram os britânicos que inventaram o conceito, desde que o capitalismo é capitalismo…
Até que a partida começou bonita, com os Estados Unidos nem sentindo a falta da “ídola” Rapinoe, pois sua substituta, a Press, já mostrou o cartão de visitas com um belo gol no comecinho. Mas as inglesas também marcaram bacana, e o desempate em seguida mostrou que o resultado estava aberto e bom de ver.
Aí veio o segundo tempo e o que era belo virou competitivo. As experientes americanas jogando com o regulamento, as rivais vindo pra cima. E aí vieram jogadas pegadas, impedimento, pênalti, gol anulado, lances que requeriam uma arbitragem firme e justa. E enfim descobri por quem torcer: a árbitra brasileira Edina Alves Batista. Que se mostrou apta a ocupar tal posição de destaque num jogo de semifinal de Copa do Mundo, e que poderia muito bem aparecer mais no Brasileirão que, ufa!, volta semana que vem.
O resultado em Lyon era previsível. Seguem Rapinoe e sua turma pra sua quinta final. Seguem Bronze e suas amigas pra disputa do… bronze – trocadilho inevitável. E nós, brasileiros, torcendo pro juiz – ou pra juíza, no caso. E daí? Por aqui andamos tão carentes de arbitragens competentes, seguras e justas que minha torcida pela Edina mais que se justifica. Que ela volte cheia de moral pra mostrar que nada como uma mulher pra pôr ordem na casa. Amém!

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.

Crônicas Recentes.