Crítica de padarias

A nossa crítica gastrunómica d’hoje bai ritrataire u’a das peidarias mãis vadaladas da cidade. A peidaria Floire du Minho, lucalizada nu vunitu vairro di M’Voi Mirim. U’a das milhores coisas desti estavelecimento, muderno, igiênico – e, purquê num dizeire, supimpa , é tamvém u urário d’atendimento ao púvlico. A sabeire, das binte pás seis da matina à mãia-noute.
Muito bãem, dãixando-se di lado outrus purmenores minores, bamos cumeçaire falando da d’curação. D’fronte ao valcão di vividas, há um painéle di azuléjos cum mutivus purtugas, ebidentemente. Estão ali u’as carabelas muitu vãim dispostas. Ao lado du painéle, há um rulógio de parede (um cucu qui, bira e mexe, culoca a cavecita pá fora i grita: “cucu, cucu”) e u’a flâmula du Basco da Gama.
Abaixo da rifirida flâmula há u’a futugrafia da finada mãezita – qui São Vartumuleu a tenha – du senhoire Bicente Manuéle da Graça, qui bãem a seire u pruprietário du estavelecimento.
Vãim abaixo disto, nu valcão, ‘stá u senhoire Bicente Manuéle da Graça, gajo já citado nesta crítica como sendo u pruprietário da peidaria. Él custuma sirbire pissoalemente u’a veveragem negra e di grande amargore di nome “Caracu cum obo” a friquentadoires anónimos du vairro.
A tale “Caracu cum obo”, apesaire de teire pruvucado acessos di bômito a este jurnalista, é nutadamente u’a das vividas prifiridas da casa. Vatida ao liquidificadoire cum us obos mitidos lá sem suas rispectivas cascas, transforma-se nu’a iguaria di alto tiore inergético.
Outru must – usando cá u’a ixpressão vretã pá milhore difinire u ispírito desta vivida – é a pupulaire isprimidinha. Vãim a seire u’a cumbinação d’aguardente cum limões galegos isprimidos e jugados nu copo atrabés dum cuadoire.
A seção di frios da Floire du Minho tamvém é s’ptaculare. I di u’a avundância! Toucinhus, tremoçus, churiçus. Tudo frigórificado pur u’a cámara cum turmómitro industriale.
Mãis u milhore da Floire é u surbiço. Um berdadeiro pereíso tirréstre. O petrício pede lá a um dus paraívas du valcão u’a vatata frita, um volinho de vacalhau, um ravo de galo, um viotónico Funtoura, qualquiére purcaria, e aquilo vãim mãis rápido qui u’a nabe espaciale. Quando u petrício menus ‘spera u pidido ‘stá vãim à frente di suas bentas.
O prublema é u qui pidire. O senhoire Bicente Manuéle da Graça diz qui as ispicialidades di sua peidaria são: volinho d’obo, frança na c’noa cum manteiga Aviação, mixto frio, murtadela na chapa, muela ou curacãozito à binagrete, om’letes ( o de bagem é dilicioso), turresmu
(tamvém na bersão low fat, sem gurdura) e u afamado galéto na vrasa – feitu na tuluvisão di cachorro.
Pá manteire a tradição brasuca, o senhoire Bicente Manuéle da Graça faiz u’a bersão purtuga du vovó di camarões vaiano, onde us camarões são trucados pur paio.
Si o friguês preferire pode ricebere us pididos em casa. O senhoire Bicente Manuéle da Graça tem um sirbiço delivery faito de vicicléta.
É de vom-tom adverti-los qui, di quandu im beiz, acuntece u’a piquena vriguinha na peidaria Floire du Minho. Numa bitória da Lusa pur sobre u Timão, binte i três turcedores évrios vateram nu senhoire Bicente Manuéle da Graça até lhe dixarem berde. Bendo qui él se trasformara num ripresentante du Berdão deram-lhe mãis alguns tavefes até qui él ficasse cumpletamente roxo.
Mãis isto só acuntece de cuatro em cuatro anus: quandu a s’leçao p’rtuguesa d’spede-se da Copa.

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.

Crônicas Recentes.