Clara Arreguy

Crônicas publicadas no projeto.

Uma certa camisa 14

Essa camisa 14 não estava ali à toa. Quando eu era pequena, nos anos sessenta, ouvia recorrentemente os adultos comentarem sobre as maravilhas da seleção da Hungria dos anos cinquenta. Nos setenta, entrou em campo o que pra mim viria a ser referência eterna de beleza e modernidade em futebol: o carrossel holandês. À frente de tudo, o maior de todos (daquele momento, claro): Johan Crujff, o camisa 14. Naquela

Leia Mais »

Imperialismo, não – eu torço pra árbitra

Confesso que ando tão sem tempo de acompanhar esta Copa do Mundo que às vezes me sinto meio fraudulenta em cumprir o dever de entregar essas crônicas sobre uma modalidade que, mea culpa, acompanho pouco e sobre a qual, por isso, tenho poucas informações. Mas como todo brasileiro que vê, torce e comenta qualquer esporte, entendendo ou não dele, eu também sou capaz de dar pitaco até em torneio de

Leia Mais »

Obrigada, meninas! Vocês são feras!

Era um jogo tão aberto, de possibilidades equilibradas pros dois lados, que não tinha ideia do que escrever nesta crônica até o apito final da árbitra (como eu amo pronunciar estas palavras: árbitra, artilheira, treinadora!). Normalmente eu já tenho tudo na cabeça quando me sento pra produzir o comentário da partida. Mas hoje não podia ser assim, porque jogávamos bem, de igual pra igual, superando deficiências e impondo respeito às,

Leia Mais »

Ela que me faz um navegador

Vendo Marta jogar, seja quando, onde ou contra quem for, só me vem à mente uma música, do Gilberto Gil: “Ela, eu vivo o tempo todo pra ela… Ela, eu vivo o tempo todo com ela… Minha música, musa única, mulher…” e vai por aí afora, que Marta só não é a mãe dos meus filhos, ilhas de amor. O resto… é ela e ponto. Ok, a Seleção hoje jogou

Leia Mais »

Se correr o bicho pega…

Se ficar o bicho come… Assim, realisticamente, temos que entender esse jogo contra a Austrália. Porque o torcedor de última hora pode achar que o Brasil é favorito, o melhor do mundo, país do futebol ou outro chavão do gênero, mas isso já não se dá mais no masculino, pentacampeão mundial, muito menos no feminino, em que nunca vencemos – nem Copa do Mundo nem Jogos Olímpicos. Sim, somos grandes,

Leia Mais »

Nosso lugar ao sol

A WWC estreou comigo envolvida na Feira do Livro de Brasília e tomada por compromissos. No entanto, o desafio da Fernanda de Aragão para que voltasse a publicar as Crônicas da Copa também no certame feminino me pegou pelo orgulho feminista e não pude resistir. Consegui assistir ao jogo de estreia das francesas (já comentada em outra crônica), à vitória das norueguesas sobre as nigerianas, ao duelo das nossas próximas

Leia Mais »

De fins e recomeços

Encerrei minha participação entre os cronistas da Copa do Mundo de Futebol 2018 neste projeto hoje retomado com a citação de uma música (Era só começo o nosso fim), ansiando pela edição seguinte daquele certame, no Catar 2022, sem ter ideia de que um ano depois estaríamos todos de volta, e com motivação inimaginável até então. É que nunca, até hoje, a Copa do Mundo de Futebol Feminino (Fifa WWC)

Leia Mais »

Era só começo o nosso fim

Pego emprestado de uma linda canção do mineiro Yuri Popoff o título desta crônica para lembrar que nada terminou hoje com o bicampeonato da França. Ao contrário, começa agora a contagem regressiva para Catar 2022, um desafio que já faz arrepiar a espinha de quem ama essa deliciosa arte chamada futebol. Vitória merecida de uma França multirracial e multiétnica, de um mundo globalizado em que não deveria haver mais espaço

Leia Mais »

Redondamente enganada

Meu leitorado sabe que pelo menos coerente eu sou. Ontem a maioria dos comentários à minha crônica discordava do meu ponto de vista, pois, ao contrário de mim, as pessoas haviam gostado do jogo entre França e Bélgica. Hoje, para meu gosto, assisti a uma partidaça entre Inglaterra e Croácia, o oposto de tudo que havia acontecido na primeira semifinal. Contrariando também meus receios e prognósticos, os ingleses não fizeram

Leia Mais »

Parecia o Corinthians

Um amigo meu viu de dentro do campo e ficou emocionado, achando França x Bélgica um jogaço. Eu, daqui da geral, senti foi tédio. Me vi diante de uma daquelas partidas do Corinthians em 2017, quando o time de Carille ficava quietinho, dando a posse de bola pro adversário, fazia 1 x 0 num escanteio, voltava lá pra trás, e assim saiu campeão. A França tinha mais futebol que isso,

Leia Mais »

Crônicas publicadas no projeto.

Uma certa camisa 14

Essa camisa 14 não estava ali à toa. Quando eu era pequena, nos anos sessenta, ouvia recorrentemente os adultos comentarem sobre as maravilhas da seleção da Hungria dos anos cinquenta. Nos setenta, entrou em campo o que pra mim viria a ser referência eterna de beleza e modernidade em futebol: o carrossel holandês. À frente de tudo, o maior de todos (daquele momento, claro): Johan Crujff, o camisa 14. Naquela

Leia Mais »

Imperialismo, não – eu torço pra árbitra

Confesso que ando tão sem tempo de acompanhar esta Copa do Mundo que às vezes me sinto meio fraudulenta em cumprir o dever de entregar essas crônicas sobre uma modalidade que, mea culpa, acompanho pouco e sobre a qual, por isso, tenho poucas informações. Mas como todo brasileiro que vê, torce e comenta qualquer esporte, entendendo ou não dele, eu também sou capaz de dar pitaco até em torneio de

Leia Mais »

Obrigada, meninas! Vocês são feras!

Era um jogo tão aberto, de possibilidades equilibradas pros dois lados, que não tinha ideia do que escrever nesta crônica até o apito final da árbitra (como eu amo pronunciar estas palavras: árbitra, artilheira, treinadora!). Normalmente eu já tenho tudo na cabeça quando me sento pra produzir o comentário da partida. Mas hoje não podia ser assim, porque jogávamos bem, de igual pra igual, superando deficiências e impondo respeito às,

Leia Mais »

Ela que me faz um navegador

Vendo Marta jogar, seja quando, onde ou contra quem for, só me vem à mente uma música, do Gilberto Gil: “Ela, eu vivo o tempo todo pra ela… Ela, eu vivo o tempo todo com ela… Minha música, musa única, mulher…” e vai por aí afora, que Marta só não é a mãe dos meus filhos, ilhas de amor. O resto… é ela e ponto. Ok, a Seleção hoje jogou

Leia Mais »

Se correr o bicho pega…

Se ficar o bicho come… Assim, realisticamente, temos que entender esse jogo contra a Austrália. Porque o torcedor de última hora pode achar que o Brasil é favorito, o melhor do mundo, país do futebol ou outro chavão do gênero, mas isso já não se dá mais no masculino, pentacampeão mundial, muito menos no feminino, em que nunca vencemos – nem Copa do Mundo nem Jogos Olímpicos. Sim, somos grandes,

Leia Mais »

Nosso lugar ao sol

A WWC estreou comigo envolvida na Feira do Livro de Brasília e tomada por compromissos. No entanto, o desafio da Fernanda de Aragão para que voltasse a publicar as Crônicas da Copa também no certame feminino me pegou pelo orgulho feminista e não pude resistir. Consegui assistir ao jogo de estreia das francesas (já comentada em outra crônica), à vitória das norueguesas sobre as nigerianas, ao duelo das nossas próximas

Leia Mais »

De fins e recomeços

Encerrei minha participação entre os cronistas da Copa do Mundo de Futebol 2018 neste projeto hoje retomado com a citação de uma música (Era só começo o nosso fim), ansiando pela edição seguinte daquele certame, no Catar 2022, sem ter ideia de que um ano depois estaríamos todos de volta, e com motivação inimaginável até então. É que nunca, até hoje, a Copa do Mundo de Futebol Feminino (Fifa WWC)

Leia Mais »

Era só começo o nosso fim

Pego emprestado de uma linda canção do mineiro Yuri Popoff o título desta crônica para lembrar que nada terminou hoje com o bicampeonato da França. Ao contrário, começa agora a contagem regressiva para Catar 2022, um desafio que já faz arrepiar a espinha de quem ama essa deliciosa arte chamada futebol. Vitória merecida de uma França multirracial e multiétnica, de um mundo globalizado em que não deveria haver mais espaço

Leia Mais »

Redondamente enganada

Meu leitorado sabe que pelo menos coerente eu sou. Ontem a maioria dos comentários à minha crônica discordava do meu ponto de vista, pois, ao contrário de mim, as pessoas haviam gostado do jogo entre França e Bélgica. Hoje, para meu gosto, assisti a uma partidaça entre Inglaterra e Croácia, o oposto de tudo que havia acontecido na primeira semifinal. Contrariando também meus receios e prognósticos, os ingleses não fizeram

Leia Mais »

Parecia o Corinthians

Um amigo meu viu de dentro do campo e ficou emocionado, achando França x Bélgica um jogaço. Eu, daqui da geral, senti foi tédio. Me vi diante de uma daquelas partidas do Corinthians em 2017, quando o time de Carille ficava quietinho, dando a posse de bola pro adversário, fazia 1 x 0 num escanteio, voltava lá pra trás, e assim saiu campeão. A França tinha mais futebol que isso,

Leia Mais »